sábado, 23 de junho de 2018

Estratagemas malignos de mentes acintosas


Boa noite, nobilíssimos betas. Tudo bom com vocês? Hoje, como sempre, estou inspirado pela sabedoria trazida pelo líquido divino deixado a nós pelos deuses, ou seja, as cervejas artesanais, essa bebida divina que é responsável por nos fazer transcender nossos limites naturais que nos prendem em nossas limitações humanas, a fim de libertar e transformar os betas repugnantes e fedorentos em seres ideológicos que buscam superar as lamúrias decorrentes dos sofrimentos sentidos em razão da condição betística.

Caso você não tenha entendido o título, explico-o. Estratagemas são quaisquer ações que são planejadas ardilosamente. Acinte significa agir de modo premeditado com o fim de ofender ou desagradar. Assim, esse título significa basicamente as estratégias vis de mentes que agem premeditadamente para desgostar alguém porque não possuem nada a acrescentar. Tal ideia de texto me veio hoje enquanto eu estava lendo alguns textos do Olavo de Carvalho quando me deparei com um conceito ao qual ele nomeia técnica da rotulagem inversa. Por isso, ele detalha que tal ocorre quando se busca:

"cobrir de invectivas odiosas os personagens que se pretende rotular de odientos. Não é preciso, para sustentar o ataque, citar um só apelo de ódio que tenha saído da boca da vítima. Não é preciso nem mesmo torcer suas palavras, dando um sentido odiento ao que não tem nenhum. Ao contrário: basta espumar de ódio contra a criatura, e fica provado – espera-se – que odienta é ela. Tudo é feito na expectativa insana de que o automatismo mental do público o induza a sentir que pessoas que despertam tanto ódio devem ter ainda mais ódio no coração do que [aqueles] que as odeiam".

Temos visto ultimamente que qualquer assunto que seja contra a forma de pensar do público em geral é motivo para despertar o ódio naqueles que não possuam apreço às convicções daqueles que são divergentes desse senso comum. Muitos não entendem que a filosofia diabística busca expurgar todo e qualquer extremismo e ilusão que perdure na mente dos betas, não compreendendo, assim, que o foco principal é sempre a evolução do beta (e não as suas frustrações) através do seu desligamento de conceitos antigos que o fazem imaginar ser possível atingir o impossível e sonhar com o inimaginável. Seja nos campos de relacionamentos, do trabalho e social, o fracasso do beta tende a ser motivo dele descontar sua raiva e jogar a culpa disso naqueles que ele acredita serem os algozes de sua decadência, porém ele não percebe que ele é o principal culpado dessa sua condição. 


Não são seus pais, não são as mulheres, não são os outros homens, não é o destino que te faz ser um fracassado, mas é você. Porém, a partir do momento em que você se deixa influenciar pelas pessoas que agem conforme a descrição do título desse post, entenda que automaticamente você está se entregando ao fracasso. E como comportamento típico dessas pessoas negativas temos a técnica da rotulagem inversa, a qual ocorre quando se é impossível responder à argumentação, bastando se atentar ao fato de que muitas pessoas odeiam alguém sem motivo algum. Se muitos odeiam esse alguém, então provavelmente este sujeito é odiável. 

O principal estratagema daqueles que agem de tal forma é o sofismo, que pode ser definido como o "argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa". Atentem-se que este tipo de ardil é decorrente daqueles que atolados em seu fracasso buscam uma forma de se exaltar sem fazer esforço, haja vista estarem enchafurdados nesse lamaçal de malogro. Conseguinte, tais pessoas inventam situações que aparentam ser verdadeiras, mas são mentiras deslavadas que buscam conduzir aqueles que as recebem ao erro. Então, a forma mais fácil desses se exibirem é reduzir alguém que se sobressai ao seu nível e não o suplantar através do esforço e da dedicação necessários para o sucesso.


Por mais distante que eu esteja da religião, faço uso de um texto bíblico o qual cita que deve-se abandonar aqueles que são guias cegos, visto estarem guiando outros cegos e juntos cairão no buraco. Como que alguém que definitivamente é um fracassado vai te ensinar a vencer? Como alguém que não sabe se expressar e tem uma comunicação sofrida vai te ensinar a ser um bom comunicador? Por algum acaso alguém aqui conseguiu obter sucesso nos estudos se baseando em livros de autores inúteis? Obviamente não. Assim, devemos nos atentar a alguns fatores:

1) Afaste-se de pessoas que te usam (mascaradamente) como trampolim
Sabe aquela pessoa que todos gostam? Com raras exceções, ou seja, quando essa age sempre despretensiosamente, geralmente tal é a pior de todas, haja vista que nunca se posicionará nas situações mais sensíveis que exijam uma definição quando dela você precisar, pois precisa manter a imagem de boa gente e caso isso lhe afete, fará de conta que não entendeu. Porém, quando precisar de você, não pensará duas vezes antes de te envolver em seu problema.

2) Não acredite em elogios gratuitos
Essa ocorre com aqueles que sempre ardilosos pajeiam as pessoas carentes por atenção. Todos sabemos que a inveja é um comportamento inerentemente humano, logo por que alguém te elogiará quando para esse seria melhor ocupar o seu lugar e ter os seus benefícios? Sempre desconfie daqueles que sem razão alguma, sua ou dessa pessoa, efetuam um elogio apenas para medir qual é o seu nível de aceitação de palavras bonitas.

3) Não acredite em quem afirma ter uma vida perfeita
Sabemos que todos temos dificuldades, mas sempre conhecemos aquela pessoa que parece ter uma vida perfeita. Sempre com coisas boas, carros legais, mulheres perfeitas, casa em locais paradisíacos. Pessoas que vivem assim estão muito acima do nível médio da população, logo se você não pertence à essa classe, com certeza você está sendo o candidato perfeito para ser enganado por esse salafrário. Por que alguém te oferecia uma oportunidade de sucesso se ela pode manter isso para ela ou para alguém próximo? É uma questão de lógica.

4) Evite contato com pessoas que contam meias-verdades
Sabe aquelas pessoas que contam apenas parte de uma história com o fim de que esta lhe seja favorável? Estas porém ocultam a parte da história que demonstra que se for relatada em sua integralidade, a sua honestidade será posta à prova. Assim como essa meia-verdade pode ser usada para se destacar, ela também pode ser usada para te prejudicar.


Dessa forma, vemos que por mais que sejamos betas, você não pode ser aquele derrotado que apenas sabe fazer o mínimo e permite que a baixa autoestima que ainda te sobra seja diminuída. Betas fracassados fedem, mas não um cheiro ruim e sim o cheiro pútrido do fracasso. Por isso você deve sempre se desenvolver, de preferência diabisticamente. Cada um possui um dom específico e cabe a você descobri-lo e aperfeiçoá-lo. E de preferência se afastar e ignorar pessoas maldosas que unicamente buscam aparecer mesmo quando não possuem qualquer razão para isso.


Um abraço do Pobre-diabo!

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Não existe forma fácil e rápida de se atingir o sucesso


Olá novamente, nobres confrades! Trago-vos esse importante tema que mexe com a cabeça de milhões de jovens por aí que tentam se encontrar na vida, no mercado de trabalho e nos relacionamentos, os quais buscam a forma mais rápida de se atingir o sucesso, seja ele em qualquer área, porém em especial na financeira.

Antes de tudo merece ser destacado que NÃO existem atalhos para a vida quando se é um beta invisível e vindo de família pobre e medíocre, portanto não seja ILUDIDO e EXTREMISTA, pois você não está nas mesmas condições de alfas e playboys e deverá dar seu sangue se quiser buscar seu lugar ao sol. Lembre-se: você não é especial e existem milhões de pessoas medíocres como você por aí. Como eu falei, não existem atalhos ou hacks para o beta que o farão melhorar de vida de uma hora para outra, tampouco você terá sacadas únicas que farão sua vida mudar da água para o vinho.

O problema principal de jovens que fracassam é justamente a questão das ilusões e extremismos que os cega. Como eu já falei, betas não percebem quando estatisticamente algo é improvável de acontecer e acabam tendo excesso de otimismo, o que os leva rapidamente ao buraco. Um exemplo prático é do beta que sempre foi burro e pobre achar que estudando em casa ou fazendo um cursinho de cenzão irá passar em Medicina em alguma Universidade Federal, ou de betas formados em Direito em uniesquinas acharem que serão juízes ou promotores, ou ainda pequenos empreendedores pobres achando que serão os novos Jorge Paulo Lemann e por aí vai.


Vocês acreditam mesmo que um animal que monta um cachorro quente com 5 sócios dá para ser levado a sério? Vocês acreditam em um beta retardado mental que diz que vai virar YouTuber e que é facil ganhar dinheiro assim? Vocês acreditam em um beta fedorento que monta uma espelunca na garagem da mamãe para vender churros, vendendo produto estragado e sem registrar funcionários? Conseguem notar o quão ridículo são alguns betas?


É fácil olhar a vitória alheia e sair por aí desejando suas vidas. Mas você sabe como foi a vida do médico, do juiz ou do promotor que estudaram desde a mais tenra idade, sempre foram os primeiros de classe, estudavam o dia todo enquanto você batia punheta? Eles sempre tiveram boas famílias, muita inteligência e bastante força de vontade. Ou ainda o empreendedor que já tinha bastante dinheiro para investir, pois o empreendedorismo já vem de família, com negócios com muitos anos de experiência?

Enfim, sem mais delongas, a forma mais fácil e rápida de vencer na verdade não tem nada de fácil e nem será rápida. Primeiro você terá que fazer uma autorreflexão e ver suas habilidades para ganhar dinheiro. Muitas vezes você não tem habilidade para ser um bom médico, mas tem para ser um bom vendedor. Pode nunca conseguir ser um empreendedor de sucesso, mas ser um bom mecânico. Nunca conseguir ser um delegado, mas ser um excelente engenheiro civil ou designer de interiores. O importante é você saber onde pisa, especializar-se ao extremo, fazer o eu marketing pessoal, fazer o seu network e esperar. O tempo dirá se terá sucesso ou não.


Um abraço do Pobre-diabo!

sábado, 16 de junho de 2018

Pseudo-felicidade: como você é enganado por você a todo tempo


Boa noite, betas diabísticos! Mais uma vez estou aqui feliz em trazer-vos uma pitada a mais da nossa adorada e maravilhosa filosofia diabística! Quão bom e quão suave é que os betas vivam em união! Infelizmente temos notado que ultimamente alguns desses seres inescrupulosos, nojentos e detestáveis como somos (betas) buscam achar motivos para nos separar uns dos outros, de forma que quaisquer detalhes são suficientes para gerar embates homéricos em que nada acrescentam ao nosso desenvolvimento. Triste com isso e desconsolado por ter sido desprezado por uma ruivinha com a qual estava saindo ultimamente (ela me trocou por um alfa, episódio este que relatarei futuramente), resolvi parar perto duma cervejaria próxima à minha casa para degustar a melhor iguaria deixada pelos deuses a nós (cervejas artesanais). Embebido do suco da alegria e saciado espiritualmente pelo líquido que nos transporta ao mundo da ebriedade, fui acometido de uma felicidade tão extravasante que me fez sentir um êxtase até então não sentido, o qual me fez divagar pelo mundo filosófico da antiguidade e da modernidade a fim de trazer-vos mais um capítulo inédito da filosofia que veio para salvar os betas da inevitável desgraça advinda da ilusão e do extremismo. Peço desculpas, inclusive, porque após chegar em casa alguns amigos me convidaram para uma festa e como eu já estava animado, acabei saindo ontem a noite e como sempre exagerei na bebida, o que me fez perder o horário do post e só conclui-lo agora.

Quantos de nós não nos sentimos felizes em determinados momentos que achamos se tratarem de algo único, mas ao refletirmos um pouco mais sobre eles acabamos vendo que são apenas frações de tempo quais apenas saímos do nosso modo defensivo e sentimos um pouco do que a maioria das pessoas sentem em sua plenitude? Não entendeu? Eu explico. Por sermos conhecedores da real, muitas vezes acabamos agindo amarguradamente, de forma que pequenos prazeres aos quais cedíamos anteriormente não são sentidos, agora, por questões ideológicas. A partir do momento em que se pauta que determinada ação ou comportamento são coisas que vão contra nossas crenças, elas se tornam (na cabeça de extremistas) abominações plausíveis de morte caso praticadas. E dessa forma acabamos condenando tanto aqueles que se correlacionam com nossas crenças (mas praticam essas inconveniências em determinado momento), como aqueles que não as conhecem e as executam da mesma forma.

Dessa forma, vemos que determinados comportamentos acabam sendo praticados inconscientemente, pois tais ocorrem em razão de nosso lado animal nos deixar felizes temporariamente. A isso chamo de pseudo-felicidade, que nada mais é que uma satisfação irracional momentânea de uma necessidade básica particular de cada um. A pseudo-felicidade é relativa, visto que ela depende do que cada um acredita: eu, por exemplo, adoro degustar o elixir dos deuses e as damas da luxúria, e isso me faz muito feliz, mas um beta conservador dirá que se embebedar e se satisfazer da concupiscência é algo contrário à religião. Eu já não sinto necessidade de acreditar em algo, mas alguém pode se sentir ofendido porque não creio em sua divindade superior. Aí eu pergunto: quem está certo?

A resposta é vaga: ninguém está certo e ninguém está errado. Da mesma forma que você pode estar certo em determinada opinião e isto lhe faz feliz, o fato de discordar contigo faz outra pessoa (ou grupo) feliz, o que lhes gera um prazer que para você é algo ilógico. Vemos muito isso nesses tempos atribulados de política e agora de Copa. Eu, por exemplo, não sinto tesão algum em ver esses jogos que são subsidiados por investimentos faraônicos de entes estatais que deviam os aplicar na própria nação. Precisamos de um exemplo melhor do que aconteceu desde a Copa/Olimpíadas no Brasil? Apenas um néscio debiloide totalmente adverso à realidade não notaria o que estava acontecendo aqui e que isso seria apenas uma política do "Pão e Circo" atualizada ao século XXI.

Alem desse fato, com o tempo percebemos que as coisas estão passando muito rápido, já notaram? Isso ocorre em razão de que nossa percepção nota as diferenças em relação ao todo de uma forma diferente a cada momento e isso é explicado pela Lei de Weber. Ele foi um médico que buscou formular uma regra para traduzir esse fenômeno, destacando que quando dois estímulos são idênticos, basta uma pequena diferença para distingui-los, porém quanto maiores em grandeza, maiores deverão ser esses estímulos para os diferenciarem. Por exemplo, se pegarmos um objeto de 100g e um de 200g, facilmente notaremos a diferença, mas se pegarmos um objeto de 1 kg, dificilmente notaremos a diferença deste para um de 1,1kg, sendo essas 100g as mesmas entre essas dimensões. O mesmo ocorre com a passagem de anos enquanto éramos adolescentes, pois essa acrescentava muito em experiência. Era muito diferente ter 12 anos e depois ter 15 anos. Porém hoje, agora que estou chegando aos meus 30 anos, o que é um ano a mais? Eu sequer vi o ano começar e já estamos na metade dele. Realmente Weber tinha razão.

Assim, ao aliarmos o fato da pseudo-felicidade com a lei de Weber, vemos que cada vez os momentos de felicidade são mais raros e pouco duradouros. Cada vez precisamos de mais estímulos para nos enganarmos com uma falsa felicidade que dura cada vez menos. Cada vez mais temos menos tolerância às diferenças e menos paciência com as pessoas. O fim disso é a amargura pela qual muitos betas passam ao destilar seu fracasso nos outros ao invés de notarem que essa derrota é fruto de si mesmos, os quais buscam através de estímulos (mulheres perfeitas, relacionamentos sociais, independência financeira que nunca virá) saciar carências que em pouco tempo se saturarão. O problema não são geralmente os outros, mas a forma como você se faz ver pelos outros.

E qual seria a solução? A solução, ao meu ver, é viver diabisticamente através da repulsa a toda e qualquer forma de ilusão e extremismo. Já foi tratado aqui nesse reduto que você nunca atingirá a independência financeira vivendo frugalmente para economizar migalhas. É muito melhor você gastar com alguns prazeres que aliviarão o seu estresse, porém principalmente com coisas que agregarão ao seu intelectual, visto que isso o evoluirá. Você nunca vai achar aquela mulher nota 10 sem ter barganha suficiente para mantê-la atraída. Você nunca será alguém social através de táticas mentirosas de jogos sociais se você não tiver seu carisma desenvolvido. A pseudo-felicidade pode ser interessante como uma válvula de escape, porém ela não pode ser a regra na vida do beta que já sofre as mais diversas agruras dessa vida de cão.


Um abraço do Pobre-diabo!

quarta-feira, 13 de junho de 2018

O dia dos namorados para um pobre-diabo


Sejam bem-vindos, ilustríssimos betas diabísticos! Novamente estamos aqui para congregarmos em nossa seita diabística que objetiva a evolução dos betas que sofrem as agruras da vida, os dissabores das desilusões, as escabrosidades da inferioridade e as ingremidades de nossa condição betística. Ontem acordei puto em razão do ódio que possuo do dia dos namorados por decorrência das memórias que me recorrem das diversas humilhações que sofri, assim como o fato de ter sido um idiota pagador de conta das mulheres como muitos betas por esse Brasil afora, eu não estava com motivação alguma para escrever esse post, sendo que assim fui buscar a inspiração no templo cervejístico. Lá chegando, uma aura de felicidade invadiu meu ser, eliminando toda a amargura do meu âmago ao ingerir os saborosos e deliciosos sucos da alegria, as bebidas da alma, os elixires divinos, ou seja, as cervejas artesanais. Como não me contento com apenas uma dose desse líquido supranatural, ingeri-o até chegar ao ponto em que senti que meu corpo o queria expelir. Como isso é uma afronta à divindade suprema diabística, decidi pagar minha conta e ir para casa.

Durante o caminho percebi diversos casais de mãos dadas, sorrindo um ao outro, comemorando uma data idiota que só faz sentido para as mulheres e para os comerciantes. Para elas é um motivo em especial para fazer o seu namorado beta burro, iludido e extremista, gastar mais com presentes e restaurantes chiques para no fim ele comer a mesma mulher que já come mal e porcamente. Para os comerciantes, é mais uma razão para superfaturar o preço dos presentes idiotas, dos restaurantes inúteis e dos motéis imundos em que os casaizinhos comemorarão uma data que apenas serve para o homem beta imbecil gastar seu dinheiro para satisfazer o ego de sua mulher feia e fedida. Declarações de amor nas redes sociais, promessas de fidelidade eterna e confissão de felicidade soam tão superficiais quanto um elogio vindo de uma dama da luxúria.

Enquanto eu seguia o trajeto no qual eu pilotava a carruagem diabística, pensei comigo qual seria a razão de tudo isso. Lembro da época em que eu ansiava por um amor verdadeiro, por alguém que dividiria a sua vida comigo e seriamos "felizes para sempre" (uma raiva mega diabística agora me invadiu e nunca senti tanta raiva de mim como estou sentindo agora por ter sido tão otário). O problema principal é que as pessoas buscam a solução de sua infelicidade em outras pessoas, sejam amigos, família ou companheiros sexuais. Você nunca será feliz se a sua felicidade não provier de você, haja vista que você é a única pessoa que quer que você evolua (talvez a sua mãe também queira te ver bem, desde que você não tenha sido cagado nesse mundo). Não consigo olhar para as demais pessoas ao meu entorno e ver algo de bom, pois basta você se destacar que alguém já se prepara para puxar o seu tapete.

Qual a lógica de gastar uma centena de reais em um buquê de flores que apodrecerão em uma semana só para ver um sorriso? Qual a lógica de gastar outras centenas de reais em um restaurante gourmet só para impressionar a namoradinha rodada? Basta apenas um dia para que tudo volte ao normal e todo o esforço despendido ser esquecido. E pior, com um dinheiro gasto para a satisfação do ego de outra pessoa que não seja si mesmo, algo totalmente contrário à filosofia diabística que prega a imediata satisfação pessoal desprovida de toda e qualquer ilusão e extremismo. Não está satisfeito com isso? Então piore e faça como muitos outros otários que não contentes em acabarem com suas vidas, ainda casam e fazem filhotinhos condenados a sofrerem em decorrência da genética lixo herdada de seu pai beta mocorongo e de sua mãe ridícula.


Juro que não consigo entender o poder autodestrutivo dos homens. Ao assumir um relacionamento, em razão do custo de oportunidade, você está automaticamente recusando a probabilidade de se deixar perceber por sortes melhores. A genética pútrida do beta o faz causar uma repulsa natural nas mulheres, de forma que se este assumir um relacionamento com uma que seja infimamente superior a ele, sofrerá torturas psicológicas traumatizantes caso não possua um poder de barganha que equilibre as diferenças. E dentre os 7,5 bilhões de pessoas do mundo o beta ainda aceita ficar com uma pessoa que não o respeita e ainda o humilha? Reafirmo, então, um comentário que foi muito frequente dos anônimos no post passado: "todo o sofrimento do mundo para o beta (iludido e extremista) é pouco".

Tomo por base um conhecido que viveu uma tragicomédia. Ele estava todo abobado porque estava ficando com uma loira linda há 3 meses que tinha levado um pé na bunda do namorado alfa estudante de medicina (vejam bem, ele era apenas estudante). Ele a levou para jantar, levou ao cinema, fez declarações nas redes sociais e tudo quanto é tipo de manginice. Mas bastou o alfa a chamar para conversar e sair há uma semana e ela fez o que? Foi correndo como se não houvesse amanhã. Simplesmente ignorou o idiota com todo o seu empenho betístico para demonstrar valor a ela para satisfazer a sua hipergamia. Não satisfeito, o beta ainda foi atrás dela e quase apanhou do alfa que apenas satisfez sua vontade de penetrar os orifícios úmidos e quentes da loira e dispensá-la novamente. Porém, o beta não desistiu de ser humilhado: ao saber que ela tinha sido deixada de novo, ele pediu para reatar e ela aceitou. O mocorongo até preparou ele mesmo o jantar no dia dos namorados para a surpreendê-lo e postou nas redes sociais a comemoração do "mesversário" da relação como se nada tivesse acontecido. Será que eu preciso falar qual será o futuro disso?

Enfim, o que vejo é que não existem motivos para comemorar datas fúteis como essa do dia dos namorados. Na verdade, qualquer data comemorativa que exija qualquer tipo de empenho e gasto para mim é inútil. Prefiro milhões de vezes gastar meu dinheiro com o amor pago das damas da luxúria e com o elixir dos deuses para a minha própria satisfação que buscar a felicidade numa outra pessoa que independente do motivo que tenha transformará em um inferno a sua vida caso não tenha seus anseios atendidos? Nada paga a paz de espírito e a liberdade para aproveitar o que o dinheiro pode comprar.


Um abraço do Pobre-diabo!

sábado, 9 de junho de 2018

Coisas idiotas que só homens apaixonados fazem


Homens apaixonados são presas fáceis para as mulheres. É engraçado como é normal para a sociedade homens tendo que ser serviçais, verdadeiros burros de carga das mulheres. É visto como normal o homem ter que pagar a conta do restaurante, dar presentes, levar e buscar de carro, agradar, ser piadista, levar para passear, abrir a porta para elas, defende-las, carregar peso para elas etc, sem receber nada em troca. Que posição confortável a delas, não acham?

Enquanto elas só curtem, são servidas, ganham conforto, riem das gracinhas que você faz, ganham carona, comem bem e de graça, ganham carinho, presentes, além de muitas outras coisas (sem contar as que ganham mesada, carros, joias, viagens etc), você é o escravo delas, o provedor e o animador. Elas são especialistas em fazer homens serem trouxas. A lei que elas seguem é ganhar o máximo fazendo o mínimo e sem reconhecer o seu esforço, ou seja, mesmo que você faça todas as coisas ditas anteriormente, mesmo assim ela não se sentirá na obrigação de te recompensar e só fará isso se você merecer muito e para garantir que você continue nas rédeas.

O pior de tudo é que os homens se sujeitam a isso e, devido a grande concorrência no mercado sexual e a alta barganha exigida por elas, esses animais fazem coisas realmente idiotas e até ridículas para ter a atenção delas, como fazer postagens apaixonadas em redes sociais, fazer declarações de amor, dar flores, ficar de joelhos implorando relacionamento, entre outras, coisas estas que apenas abobados virgens fazem. Enquanto isso, o alfa pega essa mesma mulher pelos cabelos, chama de safada e enfia seu pau com força na boca dela (e ela adora isso). Não se engane, beta, elas vão se emocionar, mas somente porque se sentem poderosas e dominantes e não porque te amam, na verdade isso diminuirá ainda mais o desejo sexual dela por você (considerando que a esta altura ela faz um sexo bem mecânico e de vez em quando com você).




Não se enganem, meus camaradas, precisamos nos desenvolver sempre de forma diabística e abandonar todas as ilusões e extremismos. Não perca tempo lendo coisas de fracassados desonestos que mal sabem porque estão vivos, que incentivam o beta a ir para o buraco atrás de seu grande amor, sujeito esse disposto a casar com velhas com idade de ser avó, gordas sapo boi e feiosas com a cara do Marquito. Tudo isso só porque está carentinho? Vai à merda, seu matrixiano fedorento, não existe amor, existem apenas interesses, qualquer mulher só vai te olhar pelo que tem a oferecer, seja quem for. A ilusão e o extremismo é a pior cegueira que um beta pode ter. O futuro desse animal já está certo: casar com uma gorda feia e pobre, ter filhos mais feios que ele mesmo e perpetuar a pobreza e o betismo por gerações. 

Quem aqui nunca ouviu as famosas frases idiotas e fracassadas de homens apaixonadinhos (escravos) para suas “amadas”?

- “Você é a mais linda do mundo” (Melhor que a Amanda Lee? Vai mentir para o Capeta, seu desgraçado!);
- “Eu não vivo sem você” (Sua vida deve ser uma bosta mesmo para você falar uma asneira dessas);
- “Quero fazer você a mulher mais feliz do mundo” (O retardado sabe que é seu escravo, então já prepare seu cartão de crédito sem ganhar nada em troca)
- “Você é a mulher da minha vida” (Não é! Ela só é a única que deu moral para você e você está desesperado em “perde-la” e ficar sozinho);
- “Você é tudo para mim” (Você é digno de pena. Minha vida é muito mais do que apenas viver em função de um amontoado de carne só porque tem orifícios);
- “Vou te amar para sempre” (O recíproco não é verdadeiro. Experimente perder o emprego ou sofrer um acidente. Ou mesmo se aparecer um alfa na jogada...)
- “Faço tudo para te ver o sorriso em seus lábios” (Coisa de virjão iludido. Prefiro mil vez ver ela usando os lábios de outra forma).

Nesse momento uma dor de cabeça tomou conta da minha mente, acompanhado de um nojo terrível, tamanho a raiva que senti dos betas que fazem isso. Acabei de atacar meu copo cheio de Whisky na parede e agora tenho que limpar toda essa merda

O que betas não entendem é que essas frases apenas diminuem seu poder e barganha perante elas, mostrando o quanto são fracos, inferiores e submissos. Pode parecer contraditório isso, ainda mais pela forma como elas reagem, pois geralmente ficam felizes, choram e te beijam, no entanto, essa felicidade se dá porque elas sentem que venceram e conquistaram seu objetivo de dominação, sentindo-se poderosas (elas são extremamente vaidosas e egoístas, só pensam nelas!). O sexo que elas farão na sequencia, assim como as postagens em redes sociais que elas fazem para se exibir para as amigas (e inimigas) será para se exibir e selar a conquista de seus objetivos e a sua escravidão.

E os bobões como ficam quando veem elas se emocionando? Eles acham que conquistaram o amor delas. OTÁRIOS! Se visse um beta nesse exato momento fazendo isso eu iria meter um tapa forte na cara dele que fizesse eco, faria ele engolir as flores até se engasgar e o encheria de cusparada! Eu tive que cortar amizade com um amigo antigo meu, de tanta raiva que tenho dele, pois eu quase agredi ele devido a estes comportamentos. Este animal já descobriu várias traições de sua mulher (uma gordinha feiosa), mas mesmo assim continua fazendo declarações de amor em redes sociais, dá joias caras e viagens para o exterior para “reconquistar” ela. Uma vez ele me disse: “Cara, se não fazer declarações para elas a gente é traído!”. Ao ouvir isso eu comecei a tremer, fui correndo para o banheiro e comecei a dar socos fortes na parede imaginando ser o rosto dele. Voltei com a mão roxa e inchada.

Preciso terminar esse post agora, amigos betas, pois minha cabeça está explodindo de tanta raiva e eu estou prestes a quebrar tudo dentro de casa. Preciso ir correndo tomar alguns refrescos relaxantes, mais conhecidos como elixir dos deuses (ou cervejas artesanais), para acalmar essa minha mente doentia de um beta B, mais feio que cu cagando, porém altamente racional e calculista, que não cai nas armadilhas e artimanhas das espertinhas!


Um abraço do Pobre-diabo!

terça-feira, 5 de junho de 2018

Riqueza e poder: um choque de realidade de um pobre-diabo


Saudações diabísticas, companheiros, hoje eu passei o dia muito reflexivo e incomodado ao mesmo tempo. Como já muito falei aqui, sou um beta B mais feio que cu cagando, um filhote de urubu, introvertido e com um nível de autismo elevado, além de ter uma mente doentia que só pensa em poder e dinheiro, reflexo de uma vida de muitas privações, humilhações, bullyings e rejeições. Estou escrevendo esse post com um delicioso charuto cubano no cinzeiro e um copo de Whisky na mesa (só a garrafa dá mais que o salário de um blogueiro arrogante conhecido por todos aqui do reduto), pois decidi que precisava sentir um pouco a delícia de ser bem sucedido.

O que aconteceu comigo foi que nesta segunda-feira participei de uma reunião em um hotel de altíssimo nível com alguns dirigentes da minha empresa, junto com alguns executivos de outras empresas. Fiquei feliz em participar assessorando meu chefe imediato, que por sua vez apresentava detalhes da empresa para um dos dirigentes da minha área, pois isso quer dizer que estou passando confiança e tenho perspectivas de crescer ainda mais (existem muitas pessoas acima de mim ainda). Por outro lado, fiquei muito pensativo porque foi um duro choque de realidade estar no meio daquelas pessoas altamente qualificadas, extremamente bem informadas, bem sucedidas, com excelente retórica, persuasão e, mais que isso, MUITO RICAS! Definitivamente ali não era um ambiente para betas excrementos!

Um pobre-diabo se sentindo um executivo... 

Como sou extremamente observador, cada terno que eu olhava ali não devia custar menos de 8k. Os relógios eram de marcas de luxo e custavam mais que o patrimônio de muitos betas desse reduto. As chaves dos carros eram no geral de carros de elite, não raro alguns Porsches ali. Os exemplos que davam eram de outros países que eles foram a negócios internacionais. Em dado momento comecei a lembrar de mim na infância, aquele betinha B feio e tímido, que era humilhado por todos na escola, principalmente por alfinhas que hoje são atendentes, peões, funcionários públicos de baixo escalão e pequenos comerciantes de bibocas, quase todos casados com barangas gordas e com no mínimo dois catarrentos feiosos para bancar, porém mesmo assim eu me sentia totalmente inferior a eles. Mas agora eu estava na frente de grandes homens, que eu jamais imaginei estar junto, caras que de fato são muito superiores a mim, que deveriam ter a sola dos seus pés lambidas por pobres coitados arrogantes como o Picca Pau e o Conservador Não Mangina.

Tentei manter a postura naquele ambiente, até porque eu estava assessorando meu chefe com alguns relatórios que produzi, bem como cuidando dos slides durante sua apresentação. Pode parecer que eu era um nada ali? Até pode, no entanto, para participar daquele Monte Olimpo é só se você tem pedigree e acredito que tenho passado essa imagem, o que me fez ficar muito pensativo, principalmente no que eu posso melhorar para atingir novos patamares. Obviamente que eu não dei conta de aguentar toda essa pressão e no intervalo comecei a tremer como se tivesse Mal de Parkinson, então para me acalmar fumei um cigarro de cereja atrás do outro parecendo uma chaminé ambulante. Após a reunião, eles combinaram um jantar em um restaurante de altíssimo nível, o qual eu não fui convidado, obviamente porque era só para os Brâmanes e não para Dalits. Então fui a uma cervejaria buscar a felicidade de forma líquida, bebendo doses cavalares da bebida nos dada de forma divina pelo universo, chamada de elixir dos deuses (cervejas artesanais).

Enquanto alguns otários perdem tempo procurando um grande amor em mulheres da pior espécie que só os colocarão para baixo e os farão de escravos, eu procuro apenas a minha e SÓ MINHA felicidade plena. É isso que separa os homens de sucesso dos fracassados

Eu precisava ir sozinho, pois queria um encontro comigo mesmo ali. Muitas ideias foram enchendo a minha mente. Passei a imaginar minha vida estando no lugar daqueles caras e se algum dia isso será possível. A cada copo de elixir dos deuses, mais eu ficava reflexivo e mais via como existe, mesmo que de forma velada, um sistema social de castas, em que a importância de cada um se dá conforme o que você tem e consome, somente importando nesse mundo o poder que tem sobre as demais pessoas. Partindo disso, abandonando toda e qualquer ilusão e extremismos, além de conceitos pré-concebidos pela sociedade, vemos como as pessoas não tem importância nenhuma nesse mundo (incluindo eu também). Mais insano ainda é ver como betas tendem a dar uma importância fora do comum às pessoas que não mereciam nem um bom dia, como amigos fracassados que não têm nada a oferecer e mulheres interesseiras, as quais esses betas imundos dão toda a sua juventude, tempo, força de vontade e todo seu dinheiro em troca de atenção e um sexo trimestral com muita má vontade!

Ao voltar ao trabalho normal, depois de estar no meio de pessoas poderosas, em um ambiente de altíssimo nível no dia anterior, pude mais uma vez sentir um duro choque de realidade. Isso aconteceu primeiramente antes de chegar, vendo aquele monte de gente andando na rua indo para seus empregos medíocres para ganhar seu salário mínimo. Depois ao chegar ao prédio, vendo aquelas recepcionistas, depois o cara do elevador, aquele monte de funcionário fudido na vida, fazendo serviços fúteis que justificam sua baixa inteligência e baixo salário. Pensei comigo o quanto as pessoas são insignificantes para quem tem poder. Será que um daqueles executivos está preocupado com a pobre vida da faxineira que limpou a sua mesa e tirou o lixo ou o funcionário que está na base fazendo serviço braçal? Ele só quer saber de suas viagens ao exterior, suas metas milionárias, saber se seus filhos estão tendo um bom desenvolvimento na escola de alto nível internacional e se estão aprendendo a falar três idiomas, se vai conseguir dar uma escapadinha para comer 2 gostosas juntas, por R$2.000,00 cada uma, e em voltar para sua cobertura com piscina no terraço e tomar uma dose de Blue Label. 

Vocês não morrem de pena da vida desse coitadinho? Meus olhos se enchem de lágrima ao ver alguém sofrendo tanto assim. Eu preferia estar casado com uma gorda mãe solteira, sustentando 5 pessoas, andando de carro velho e viajando para praias nojentas cheias de vagabundo no final do ano com meu 13° salário

Como eu sou doente por dinheiro e poder, isso mexeu muito comigo, então decidi me aproximar ainda mais do meu chefe imediato e de pessoas de sucesso, mostrando ainda mais serviço. Sei que a pressão será grande, pois levarei trabalho para casa e terei que vencer ainda mais minha introversão, mas no final sei que valerá à pena. Não nasci para ter uma vida fútil, como esses lixos por aí que têm como único objetivo de vida ter uma gorda de estimação para criar e fazer filhotes feios e burros como eles, que perpetuarão sua vida desgraçada. Eu nasci para vencer, para chegar ao topo, para ter poder, para ser reconhecido. Eu quero luxo, conforto, prazeres, viagens fodásticas para a Europa, carros poderosos, comer nos melhores restaurantes, beber do néctar dos deuses todos os dias, sentir a fumaça deliciosa de charutos cubanos caros enchendo os meus pulmões, ter mulheres gostosas e variadas na minha cama toda semana, enfim, eu quero viver a essência da felicidade e não aceito viver menos que isso!

Quer vencer? Então esteja preparado para dar o seu sangue. Não existem atalhos e nem hacks para a vida. Você não ficará rico abrindo uma lanchonete ilegal na garagem da sua mamãe no subúrbio ou abrindo um carrinho de cachorro quente em cinco sócios; você não será um YouTuber famoso sendo um beta bobão e sem visibilidade alguma, além de ser praticamente impossível hoje em dia; você não passará em concursos poderosos se sempre foi um burro e não estuda nada; você não irá vencer na vida se não estudar e se especializar e só pensar em usar bombas falsificadas para ficar se exibindo igual um animal, pelo contrário, você irá destruir ainda mais a sua saúde; você não vencerá sendo um mentiroso desonesto, que até em blog é mal caráter e esquizofrênico, conversando sozinho em quase todos os comentários, ao invés de usar esse tempo para se desenvolver. Sonhe, mas com os pés no chão e escolhendo ambientes propícios às suas habilidades, lembrando que ilusões e extremismos não te levarão a lugar algum!


Um abraço do Pobre-diabo!

sábado, 2 de junho de 2018

Dinheiro e amizade: uma combinação destrutiva


Saudações diabísticas, ilustres betas! Essa semana eu não bebi e fumei tanto, pois estive bastante ocupado em fazer uma limpa em várias áreas de minha vida em razão de uma grande decepção que tive com "amigos", a qual relatarei à frente. Quando passamos por esse tipo de situação, vemos que a maldade se esconde até em pequenos atos que não parecem ser preocupantes, mas basta a oportunidade certa para que isso seja um grande entrave em sua vida. O problema de ser beta é que todo mundo te vê como um tongo e que podem se aproveitar de você, nunca podendo confiar cegamente em alguém.

Para compensar esses dias em que passei por um extresse a mais, ontem eu bebi doses cavalares do líquido da alegria, conhecido por elixir dos deuses (cervejas artesanais), o que me fez refletir melhor sobre a minha vida e ver o que realmente interessa para mim. Cada vez mais a Filosofia Diabística tem me dado forças para vencer e nunca me entregar à matrix manginística, como retardados mentais desesperados por atenção de mulher que pregam por aí que você deve namorar mães solteiras, velhas, gordas e feias para não ficar sozinho e tristinho, e que busca o seu grande amor nelas, pois são mais verdadeiras que as gostosas. Minha vontade é espancar um beta fedido desses, pois independente de beleza, TODAS elas não são confiáveis e só pensam nelas mesmas! Na verdade ninguém é confiável, principalmente quando tem mulher e dinheiro na jogada, por isso eu sempre digo que o beta deve pensar unicamente em si mesmo, no seu prazer, luxo e conforto. Enfim, ontem eu terminei a noite na cama de uma bela ruivinha deliciosa. Como eu amo a minha vida diabística... 

Lindas garotas me esperando com a bebida mais divina do mundo. A Filosofia Diabística prega que o beta deve pensar unicamente em si mesmo, no seu prazer e conforto. E tem gente que diz querer viver um grande amor com FGVs e fazer elas feliz sendo um escravo patético... 

Voltando ao que estava falando antes, um desses meus "amigos" já vinha há algum tempo dando demonstrações de esperteza e começou de um tempo para cá a mostrar sinais de interesse e oportunismo e ao invés de ser claro nas suas intenções como era antigamente, começou a me tratar como se eu fosse um de seus amigos burros e fracassados, tentando implementar ideias que para ele eram boas e lucrativas, mas não para mim. Ao deixar a guarda baixa para quem você acha ser de sua confiança, a probabilidade disso dar merda é altíssima, ainda mais quando a pessoa não faz parte do seu círculo social íntimo (pais e irmãos). Sempre deve existir no mínimo dois fatores que demonstrarão se uma relação é verdadeira: um é o fator intrínseco, que no caso é o vínculo (família, amizade); outro é o fator extrínseco, que seria o comportamento (respeito, admiração, companheirismo). A partir do momento em que apenas um deles se faz presente, desconfie porque aí vem merda.

Meu "amigo" me propôs uma sociedade que seria sob a égide dos 50/50. Inicialmente achei justo, mas daí é que começaram os problemas. Ele integralizaria a parte dele com alguns objetos e produtos que ele consideraria a valor de mercado para a pessoa que estava vendendo o ponto comercial, mas eu teria que integralizar minha parte em dinheiro vivo. Como ambos não possuiríamos tempo para operar integralmente esse empreendimento em decorrência da atividade laboral principal de cada um, ele sugeriu que durante a manhã e a tarde o primo dele cuidasse do empreendimento e o custo disso seria sobre suas expensas, sendo o restante do dia sob minha responsabilidade. Daí eu pensei: obviamente ele não trabalhará de graça (pois escravizar parentes é um pecado que deve ser punido com chibatadas), logo será funcionário do empreendimento. Conforme o plano de negócios que desenvolvi, o retorno financeiro passaria a ser positivo apenas a partir de 8 a 12 meses e antes desse período a empresa não geraria lucro algum, logo os gastos teriam que sair do valor que eu integralizei, inclusive o salário do primo. Ou seja, quem estaria pagando tudo seria a minha parte! Quem não quer um sócio assim?!?

Só otários fracassados se metem em verdadeiras furadas em "empreendimentos", a exemplo de alguns iludidos e extremistas aqui do reduto, desconsiderando totalmente as leis de mercado e as estatísticas atuais. Um deles é um salafrário que rouba os pais para tirar um lucrinho ínfimo de 1,5k (que na verdade está saindo dos pais para ele, pois roubou a garagem e não paga aluguel, internet, luz e água para eles); o outro abriu um cachorro quente com mais cinco sócios e agora disse que vai virar YouTuber, sendo que 99,9% só passa vergonha e não ganha um centavo nisso. Dá para botar fé em tanta gente burra, fracassada, iludida e extremista assim? Falta muita inteligência, estudo e conhecimento... 

A ideia de superestimar o valor pecuniário de objetos e exigir o mesmo valor em dinheiro me deixou intrigado. O capital financeiro se destaca pela sua liquidez, sendo seu valor muito mais alto em relação a objetos, desde que estes não estejam correlacionados com a atividade do estabelecimento. Então propus uma divisão diferente na qual eu seria apenas o sócio investidor, pois eu não quero atuar diretamente neste negócio. Obviamente ele negou, dizendo que para evitar brigas no futuro era melhor que tudo fosse dividido pela metade. Foi aí que percebi o ardil que me estava sendo posto. Fiquei pensativo e neguei na hora, dizendo na cara dele que ele era um oportunista e que fazia tempo que estava vendo que ele estava agindo comigo como se eu fosse um néscio ignóbil. Cortei contato e nunca mais falei com ele, além de deixar meu dinheiro aplicado onde estava. Pode não render muito, mas é muito melhor que imobilizado num empreendimento fadado ao fracasso e no final eu me arrepender de não ter seguido minha intuição. Se o dinheiro gera intriga até entre irmãos, imagine no caso em que você o envolve num negócio com um indivíduo que quer te lograr e não possui dinheiro para injetar no capital de giro e nas reservas emergenciais. Não adianta ter receio de dizer não num momento desses, pois depois que a merda estiver feita o arrependimento será certeiro e inútil.

Outra postura que resolvi adotar foi me afastar de "amigos" bem sucedidos socialmente, mas fracassados financeiramente. A partir do momento que a pessoa começa a se folgar nas suas costas, ela indiretamente está pensando que você é o trouxa da vez que vai bancar seus luxos em troca de visibilidade social. Como sempre fui introvertido e com uma mente doentia que beira o autismo, nunca possuí necessidade de aparecer, mas minha observação me permitiu notar quantas vezes esse tipo de gente é perniciosa. Enquanto bebem, comem e fazem contatos com outras pessoas, o custo dessa visibilidade é jogada no bolso do otário que acha que será aceito nesse grupo. Uma vez um amigo meu foi convidado para um churrasco no qual pediram para que ele levasse a carne, o carvão e a bebida. Ou seja, ele levaria quase tudo e às suas custas enquanto os seus "amigos", que já tinham iniciado a festa há mais de 4 horas atrás, apenas reporiam o estoque e continuariam fazendo o seu social. Ao invés de terem o convidado para o início da festa, só o chamaram quando tudo já havia acabado. E o que o otário fez? Comprou e levou o que eles pediram e ainda saiu feliz por ter participado de uma festa que ele nunca seria convidado se não fosse pela sua condição de idiota provedor de oportunistas. E o pior de tudo foi quem o convidou a ir e trazer as coisas que precisavam tirar sarro dele pelas costas e o chamarem de otário e abobado.

É assim que todo mundo te vê quando você é um beta bobão querendo atenção no meio de várias "cobras"

Eu percebi durante a minha vida que as pessoas querem a todo instante estar por cima e em evidência, principalmente quando estão pertas de betas inofensivos. Eu sempre fui muito otário quanto a isso, pois era covarde como uma cadela, e sempre acabava sendo passado para trás. Em rodas de amigos sempre eu era motivo de risada, em saídas era o idiota que dava carona e pagava as coisas, em grupos era o trouxa que fazia o papel de amigo feioso e sem graça para os outros amigões se destacarem e pegarem as mais gatas, enfim, sempre sendo o trouxa e eles os fodas, sendo que eu sempre fui o que tive mais dinheiro, mas nunca usei isso por não querer parecer arrogante e prepotente, daí acabava me rebaixando ao nível de caras lixos e fracassados. Mas decidi que isso nunca mais vai acontecer. O que fracassados tem a acrescentar em nossa vida? Eles só nos colocam para baixo, então se for para sair com gente assim, será apenas para me destacar perante eles, me divertir, dar risadas deles e os usar de forma maquiavélica para algum fim que me dê prazer.

Logo betas, o que quero trazer aqui é que estejam sempre de olhos abertos e com a guarda alta. Muitos "amigos" apenas surgem quando você é o meio para eles atingirem o fim. Claro que quando algum amigo precisar de ajuda você o auxiliará. Mas a partir do momento em que você passa a ser a reserva de emergência, algo está errado. O mesmo acontece nos negócios, pois é muito melhor abrir um empreendimento com um conhecido que possui sintonia com o seu tipo de pensamento, objetivos, coordenação e controle financeiro que abrir com um amigo unicamente pela amizade. Não é a toa que a frase é antiga, mas ainda atual: "amigos, amigos, negócios a parte".


Um abraço do Pobre-diabo.